domingo, 20 de setembro de 2009

UM MONSTRO À SOLTA

(Fonte barcelonadream.blogs.sapo.pt)

Com essa minha imobilização temporária (creio eu), tenho ficado muito em casa, o que para mim é um tormento, pois, como dizia a minha mãe, eu sou muito “rueira”.
Mas essa semana eu tive alguns compromissos e meus filhos e marido serviram de motorista, o que me permitiu passear e observar as ruas, as praças, os lugares por onde passava.
Levei foi um grande susto!
Logo na pracinha de Jucutuquara* quando olho para o lado da antiga fábrica de tecidos, cadê a casa dos “donos” da Braspérola? Sumiu! Só sobrou o muro... Mas como a Prefeitura destruiu a antiga fábrica dizendo que ia fazer um espaço de artes e eu só enxergo a fachada e um grande vazio atrás, pensei com meus botões, vai ver a prefeitura também comprou a casa e vai fazer alguma coisa boa para a comunidade, mas precisava derrubar aquele casarão antigo tão lindo?
Seguimos em direção ao centro da cidade e logo depois da curva do Forte São João, outro susto, onde já haviam derrubado o velho Restaurante Universitário, agora sumiu também a casa da frente, uma que tinha lindas janelas verdes.
Na volta, passamos por Bento Ferreira e as casas lá também estão sumindo do dia para a noite. Você passa a casa está lá, dois ou três dias depois, ela some inteirinha. O mesmo está acontecendo na Praia do Canto. Isso porque meu passeio se restringiu a esses bairros, imagino o que não estará acontecendo por toda a cidade!
Logo nós, capixabas, que temos como característica a utilização de casas, prédios, pontos comerciais como pontos de referência, o que iremos fazer se estão destruindo tudo?
Olho aquelas paredes que sobram e vejo azulejos brancos, algumas partes com azulejos coloridos, intermediados de paredes de cores diversas e fico pensando o quanto de história está sendo jogada no lixo. Quantos segredos aquelas paredes ouviram. Juras de amor. Brigas pra nunca mais que duravam poucas horas. Primeiros choros de bebês que nasceram rodeados dos que mais os amavam. Casos de vida e de morte.
Parte da minha história, na cidade do interior, já foi devorada e lhes digo, a sensação não é nada boa. Onde antes havia uma cozinha com cheiros que se acessavam a um olhar, hoje só sobrou chão.
Minha conclusão é que tem um monstro à solta comendo nossa história.
Acho que ele se alimenta das lembranças que ficam abrigadas nas antigas casas, por isso, à noite, ele sai e as devora.

*Jucutuquara - 0 nome Jucutuquara, JUCU-ITA-QUERA, é de origem indígena e significa "pássaro do buraco de pedra" ou YTICUTUQUARA, que significa "conchas suspensas", condizentes com a forma dos buracos da "Pedra dos Olhos" localizada na área e batizada pela própria natureza. As mutações lingüísticas fizeram valer a linguagem popular: Jucutuquara. Nome da antiga fazenda que havia no lugar, pertencente à família Monjardim, século XIX.

6 comentários:

VANUZA PANTALEÃO disse...

" A força da grana que ergue e destrói coisas belas..." (Mano Caetano)
É isso aí, Kátia! Nem vou fazer discurso hoje, você já conhece a resposta.
Lamentável, triste...mas por que ainda não aprendemos a exercer a nossa CIDADANIA? Votamos errado e aquelas coisas todas, é por aí, ou não é?
Um a semana plena e de muitos passeios!!!Bjssss

Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ●๋•MUNDO DAS GAROTASƸ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ●๋• disse...

o seu é blogspot?


se for eu quero saber como você colocou seu proprio modelo

bjusss

Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ●๋•MUNDO DAS GAROTASƸ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ●๋• disse...

o seu é blogspot?


se for eu quero saber como você colocou seu proprio modelo

bjusss

Gabi disse...

Chuvisco já cresceu.
Você já tem uma filha especialista.
Você viajou e conheceu a igreja que queria.
Fizemos uma aventura maluca pelas estradas...
Tanta coisa aconteceu e o blog foi abandonado? =P
Beijinhos

betomelodia disse...

lembranças, apenas lembramças vão ficando em nossa vida...
lugares e pessoas que embora ausentes, nelas permanecem como se presentes, em nossos sonhos...

Luzia disse...

Querida,
Não é só você que se assusta.
Eu me assusto todos os dias.
É só dar uma volta por aí.
As bucólicas casas da Constante Sodré na Praia do Canto não resistiram ao boom imobiliário.
É o progresso e vamos pagar um alto preço por ele.
Vila Velha está irreconhecível.
Mas como bem disse acima betomelodia "lembranças, apenas lembranças vão ficando em nossas vidas".
Beijo carinhoso
Luzia