quinta-feira, 8 de julho de 2010

SANTIAGO DE COMPOSTELA - O RETORNO

PORTOMARÍN – PALAS DE REI

Preâmbulo: Estava eu a contar minha (ou melhor, nossa, já que Mauricio e Cristina são companheiros de caminhada, reflexão, dores e risos) Saga pelo Caminho de Santiago de Compostela, daí adoeci e tive que interromper, já que as dores, internações, etc. impediam-me até de pensar... então, os capítulos anteriores vocês encontrarão no tag "Santiago de Compostela".
Estou reeditando o último percurso para, daqui em diante, seguir com a história.
Talvez necessitasse desse longo tempo para reavaliar valores e vivências!

Preâmbulo 2 (se é que existe rs): Quero agradecer à Vanuza Pantaleão pela linda homenagem que me prestou em seu último post. Fico emocionada e com um compromisso ainda maior em não decepciona-la.

Preâmbulo 3 (hahahaha): Pode ser que eu ainda tenha que "desaparecer" por algum tempo, essas idas e vindas para hospital já são rotina, mas prometo avisar!

Então vamos lá caminhar minha gente

Saída de Portomarín

Nesse dia acordamos cedo. Queríamos evitar o sol forte da tarde, portanto levantamos por volta de cinco da manhã, tomamos nosso café, e antes das seis já estávamos com o pé na estrada. Mas parecia noite. Lua cheia, ainda alta no céu. Não dava para ver onde pisava. Entretanto, Deus, na sua generosidade, presenteou-nos com um belíssimo amanhecer. Parecia o despertar da Terra! Indescritível!
Bem, foi só o que consegui fotografar...
Depois de três dias caminhando sem mochila até que o início não foi tão penoso, mas, à medida que os quilômetros iam ficando para trás (foram 22 naquele dia) e o sol cozinhava nossos miolos foi ficando quase insuportável. Mas eu também não podia ficar repetindo, a toda hora, que estava sentindo dor.
Primeiro: Ninguém merece uma pessoa lamuriando-se o tempo todo.
Segundo: Reclamar não vai aliviar a dor.
Terceiro: Eu tinha outra escolha... então... era fé em Deus e pé na trilha!

Caminho Portomarín - Palas de Rei

Lembro-me de ter rezado muito naquele dia. Não por mim, porque como disse eu havia escolhido ir até o fim, mas rezei por aqueles que gostariam de estar no meu lugar (mesmo com as dores) e talvez nunca tivessem a chance, pelos meus amigos, pela dádiva de ter a família que tenho, pela minha mãe que se recuperava do primeiro câncer, pela humanidade, pela paz.
Rezar ajudava-me a ter força para seguir adiante.
Por volta de duas da tarde chegamos a Palas de Rei.
O Albergue é dividido em vários quartos, subdivididos em três repartições com quatro camas cada. Eu e Cris ficamos com Orlando e Micheline, Mauricio ficou na repartição ao lado, e também tinha uma família de espanhóis conosco.
Como eram só três homens, eles tiveram a cortesia de deixar as mulheres tomarem banho primeiro, uma vez que os chuveiros não tinham nem cortininha...

Parêntesis 1: Banheiros – eu deveria dedicar um capítulo inteiro aos banheiros (ou ausência de) durante o caminho. Tinha banheiro de todo tipo. Banheiros individuais, separados por sexo, unissex, com porta, sem porta, de todos as maneiras que vocês puderem imaginar. Para nós, brasileiros, acostumados à privacidade, era meio difícil, então quando eram vários chuveiros do tipo chuveiros de sauna, sem porta, homem e mulher junto, eu e Cris escolhíamos os últimos e colocávamos o Mauricio de prontidão para que ninguém passasse! (Pobre Mauricio!)


Amanhecer

Pois bem, depois do banho eu, que já estava péssima, fiquei pior ainda, pois descobri mais duas bolhas, sendo uma exatamente ao lado da que estava infeccionada. É claro que chorona como sou, abri a torneira. A Cris, penalizada, chorava comigo e rezava dizendo que eu não merecia tanto sofrimento. Minha vontade era dormir e não acordar nunca mais.
A Cris foi lavar todas as nossas roupas (o albergue tinha máquina de lavar) e Mauricio cuidou de drenar minhas bolhas.
Fiquei descansando. A Cris me contou que tinham dois jovens acompanhando um grupo de adolescentes com Síndrome de Dawn e que ficou emocionada e encantada com o carinho e a dedicação que eles tinham para com os meninos...
Saí apenas para comer, daí não ter fotos de Palas de Rei.
Como eu não agüentaria caminhar muito mesmo, combinamos que levantaríamos mais tarde, no dia seguinte e iríamos somente até Melide, uma caminhada de 15 km.

8 comentários:

Andréia disse...

Boa Tarde Kátia!!

Do blog da minha querida Vanuza , vim conhecer seu cantinho.
Por hora ja virei tua seguidora,e com mais tempo volto para ler tudo aqui em seu cantinho.

De imediato te digo: Parabens por sua luta por seu amor e tenho certeza que se a amiga Vanuza lhe homenageou de uma fora tão doce e sincera com certeza voce é muitooooo merecedora

Beijos e abraços sinceros

Andreia

Vanuza Pantaleão disse...

Amiga caminhante,
Fizeste bem o teu caminho ao caminhar tanto em Santiago de Compostela, como aqui, na blogosfera.
Na verdade, nada me deves, com certeza, eu já deveria ter-me manifestado antes, muito antes do surgimento dos seus problemas de saúde. Mas sempre me deparava com a barreira da tua discrição, do teu caráter firme, mas cordato e com a minha incapacidade em falar de quem gostamos.Mas tudo a seu tempo, e tudo acontece na hora em que Ele e seus Anjos determinam. Minha mãe já nos dizia que "não cai uma folha de uma árvore sem que Deus assim o permita." Fatalismo? Não, não é bem isso, são as Leis do Criador e quando as desafiamos sabemos bem das consequências.
Realmente, Kátia, somos almas que se reconheceram pelas vias da "modernidade da net", de um mundo esquisito, de areias movediças, de msn, e-mails, palavras trocadas e...esquecidas. Com sinceridade? Um mundo quase falso. O "quase" aqui faz a diferença, mas essa diferença só se faz presente quando temos uma cabeça firme, um espírito que enxerga além. Não a conhecerei pessoalmente, tenho certeza disso. Com certeza seria bom e divertido, mas não acontecerá. Por isso, quero aproveitar ao máximo essa jornada aqui contigo, pois mesmo que não aceites o título, és uma Mestra para quem sabe te lê nas linhas e nas entrelinhas.
Gente boa! Amiga inesquecível.
Esqueça ou minimize as tais internações, estaremos sempre contigo, ligadas pelos laços do coração.
Ainda volto para comentar o teu post.
Ainda cheia de emoção, só posso desejar-te uma
NOITE DE PAZ!
Mil beijinhos com carinho...
Olha a Déia lá em cima! Essa também é das nossas!
Gui e Rô também te abraçam!
Te amamos!!!

Vanuza Pantaleão disse...

"...sabe te ler..."
Sempre me enrolo nesse oceano de emoções e o Português vai pro brejo. Desculpe-me!

Vanuza Pantaleão disse...

Finalzinho de tarde, volto para caminhar contigo.
"...mas rezei por aqueles que gostariam de estar no meu lugar..."

Um luminoso final de semana, amiga!
Fiquemos nos Braços do Criador!!!Bjssss

São disse...

Venho ainda com a emoção da belissima homenagem que Vanuza escreveu lá em seu espaço no coração e venho só para a abraçar com respeito pela sua força.

Que DEus a acompanhe, sempre.

Mauricio (vulgo Tiranossauro) disse...

Poema "Tempo" - a história da vida - maravilhoso.
Ola Peregrina!!!
Que ótimo que voltamos a caminhar, estou muito feliz, estava com tantas saudades que doía.
Então, eu estou aqui,
ao seu lado,
passo a passo,
rumo a São Tiago.
PS: vc cumpriu sua promessa e voltamos após 10 anos.
Um brinde.

Vanuza Pantaleão disse...

Amiga amada, Kátia!
Fico pensando: têm posts, textos que a gente nem deveria comentar. Eu explico, peraí, rs. Os seus, são tão transcendentes, tão acima de tudo que não dá, sério!
Bem, vou falar das fotos. Mas também são demais para o meu velho coração cansado de guerra. Esse amanhecer daqui, nessa última foto, existe coisa mais linda?
Esquece o Morfeu que você dorme, veja na sua tela mental essas imagens divinas e, não se esqueça, litros e litros de um chazinho de erva-cidreira. De repente, um carinho do maridinho...tô falando demais, deixa eu me controlar, rsrs. Ah, chá de hibiscus é uma delícia. Sabe, eu tinha um pequeno desejo e consegui realizar naquela foto com o hibiscus no cabelo, sabia? Desde menina: vou tirar retrato com flor no cabelo, vou tirar retrato...tirei. Eu tava até me achando linda, mas meu filhote me tirou do narcisismo e disse que eu "tenho a cara engraçada". Pode? Emtão, eu sou uma palhaça? Hahahaha. Pior que sou!
Fica com Deus, amiguinha e tente relaxar mais...
Beijo super-super carinhoso nesse meigo coração!!!

Vanuza Pantaleão disse...

Então com M, onde já se viu??? Rs.
Ti adoruuuuuuuuuuuu