quarta-feira, 6 de outubro de 2010

PROCURA



Ela saiu do hotel sem explicações e sem olhar para trás.

Mesmo porque nem mesmo sabia para onde ia.

Caminhava tranqüila, passos firmes, porém lentos, em contraste com a multidão que passava a largos passos a seu lado.

Ela não tinha pressa.

A única coisa que queria era percorrer cantos, recantos e no olhar de encanto já esquecido, encontrar o que só ela sabia que perdera há anos, muitos anos atrás.

E assim foi.

Parques, avenidas, cinema, em cada pedacinho olhava atenta para ver se encontrava.

No seu olhar não havia mais tristeza nem lágrimas.

Olhar seco de mulher vivida, olhos límpidos, sem mágoas.

Sentou num banco do parque, relembrou as histórias que ouviu. Relembrou, palavra por palavra, de quando ouvira pela primeira vez sobre o Dia do Perdão.

Nesses anos ela aprendera a perdoar.

Porém, o perdão mais difícil, ela só conseguiria se encontrasse o que perdeu nessa cidade dantes desconhecida.

Não adiantou.

Por mais que relembrasse, andasse, procurasse... não encontrava.

Desistiu.

Viveria assim, sem aquela parte tão especial que havia, sem se dar conta, deixado escapar.

Arrumou a valise.

Pagou a conta do hotel. (Sempre o mesmo hotel!)

Tomou o táxi e encaminhou-se para o aeroporto.

Somente lá se deu conta que era um lugar que não havia procurado.

Despachou a valise.

Subiu um andar.

Entrou na capela.

E encontrou...

No ato de perdoar a si mesma, achou a alma que, por amor, havia perdido.

3 comentários:

Mariana disse...

Oii...to bem sumida tb, tentar ser alguém na vida esta me consumindo.rsrs
Me identifiquei com seu texto, só ainda não consegui encontrar o que estou procurando, e estou com muito receio de perder coisas importantes nessa busca, mas não consigo parar de buscar...

bjos

Saudades

Vanuza Pantaleão disse...

Encontrar a própria alma, seria esse o verdadeiro compromisso que temos conosco mesmos e para com o outro?

Amiga, que mensagem!
Deus a abençoe e lhe traga um belo final de semana!
Beijinhos, Katinha!!!

Vanuza Pantaleão disse...

Sempre esqueço de falar nas imagens...essa daí é paradisíaca.
Fui!