quarta-feira, 21 de maio de 2008

Y VAMOS PASEAR!

TULUM
Eu sou apaixonada pelo México, o que a TVP explica muito bem (rs).
Alguns lugares merecem ser conhecidos, embora pouco divulgados. Vou procurar levá-los a uma grande viagem pelo meu país por adoção. Espero que gostem do passeio.

HISTÓRIA

TULUM é o sítio arqueológico mais importante da costa do Caribe Mexicano, numa área conhecida como Riviera Maia, tendo de um lado todo o azul do mar caribenho e do outro uma grande muralha de pedra.
Tulum foi fundada por volta de 1200 como porto comercial de negócios e alcançou o seu apogeu em torno de 1400. Tulum significa muralha e é o nome dado recentemente por causa das muralhas que existem rodeando as ruínas. Se acredita que seu nome original era ZAMA, uma palavra relacionada com ZAMAL, que significa, em maia, amanhecer. Tulum foi o porto mais importante dos maias. Muitos dos artefatos encontrados nas escavações mostram contato com a Guatemala e toda a América Central. Os primeiros europeus a chegarem a Tulum foram, provavelmente, Juan de Grijalva e seus homens, em 1518. Os espanhóis depois retornaram para conquistar toda a península e trouxeram com eles as doenças dos “homens brancos”, causa provável da dizimação da população maia da Península do Caribe Mexicano.

COMO CHEGAR

Tulum está ao sul de Cancun (uma hora e meia, de carro, aproximadamente) e a quarenta minutos de Playa del Carmen, a princesa da Riviera Maia (nome dado por mim, claro!). As ruínas ficam a poucos quilômetros antes da atual cidade de Tulum. Lá tem um grande estacionamento e pequenas lojas de artesanato e lanchonetes ao redor. Aconselho ir de ônibus, carro alugado ou tour de agência. Do estacionamento até as ruínas tem uma “jardineira” que você paga um preço fixo pela passagem de ida e volta.

O QUE VER

A atração principal é a combinação da praia de águas azuis e as ruínas frente ao mar. Você pode admirar a muralha que rodeia a cidade e que se encontra em excelente estado de conservação. O edifício mais famoso é o “Castillo O Faro”, que é a construção mais alta, em frente ao mar. Se acredita que os maias a usavam como farol para os barcos que vinham de Cozumel. Outro edifício interessante é o Templo do Deus Descendente. Tem figuras entalhadas na pedra na fachada e dentro se pode observar murais feitos pelos maias. Tem um grupo de pequenas estruturas chamado de Grupo Kukulcán, com muitos templos, sendo que um dos mais importantes é o Templo do Deus do Vento, com base redonda. Todo o sítio é muito bem sinalizado.

DICAS IMPORTANTES:

- Os táxis de toda região, desde Cancun, não possuem taxímetro, portanto combine o preço antes de entrar no táxi, pois eles costumam cobrar muito mais caro quando vêem que é turista.
- Você não precisa de guia para visitar Tulum. Se quiser compre um pequeno folheto com explicações. Os guias são desnecessários.
- A distância entre o estacionamento e o sítio é pequena, mas o sol é escaldante e lembre-se: o preço é o mesmo, independente que você faça somente um percurso, portanto, vá de jardineira.
- Não esqueça de levar um chapéu ou boné. O sol é de lascar mesmo!
- Use filtro solar. Não é nenhuma alusão ao texto do Bial. É questão de sobrevivência.
- Se quiser, use traje de banho, mas lembre-se: você ficará com a água do mar no corpo, não existem chuveiros.
- Sapatos ou sandálias o mais cômodos possíveis. Você vai caminhar em areia, pedras, etc.
- E água!!!! Leve água!!!!
- No mais é desfrutar deste lugar maravilhoso.


9 comentários:

Jacinta disse...

Ei Kátia,
estou adorando participar, de alguma forma, dessa energia boa que vem nas suas palavras, nas lindas fotos e na viagem que agora faço com o Múltiplas Faces.
Que bom! estou contente
Beijos

DE-PROPOSITO disse...

Todos os lugares são bonitos, quero eu dizer que a beleza está em todo o lado.
Felicidades.
manuel

Dauri Batisti disse...

Fico contente com o encanto que te encanta e que fica evidente nos seus relatos. E Viva o mexico!

Defensor disse...

Salve,
Um lugar mágico...
Abraços

Renata Cordeiro disse...

Doente e dura como estou, acho que só na próxima encarnação para ir.
Postei sobre um filme que não se vê só uma vez.
wwwrenatacordeiro.blogspot.com/
não há ponto depois de www
Espero por você.
Beijos,
Renata

jorge disse...

Olá Kátia,

Bem, por estas bandas eu já andei e gostei muito.
Que água!
Quanto ao livro, envie-me um email com seu endereço que eu te mando um exemplar.

Abraços,

Jorge ELias

Mariana Moro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paulo Vilmar disse...

Kátia!
Não conheço o México, mas está agendado para minhas próximas paradas!
Beijos.

DE-PROPOSITO disse...

Olá.
So dizer que o soneto está escrito em galego, uma língua que tem muita afinidade com a língua portuguesa.
Felicidades.
Manuel