domingo, 14 de dezembro de 2008

O CEBREIRO

APRENDENDO SOBRE LIMITES

Marco de subida O Cebreiro


Parêntesis 1: Este post vou começar no aqui e agora. No Caminho que percorro ao escrever essas memórias.
O Dauri (essapalavra) me perguntou qual era minha experiência espiritual de refazer o Caminho pelas palavras e eu me surpreendi com a pergunta porque não tinha parado para pensar sobre isso. Não havia pensado porque, depois de tanto tempo, de tantos pedidos, inclusive do Mauricio que eu amo de paixão, eu tenha esperado tanto para só agora ter resolvido escrever. É certo que, assim como rio nas partes engraçadas, às vezes uma lágrima furtiva vem de mansinho quando narro alguns momentos, como esse que estou para escrever agora... mas espiritualmente, sinceramente, não tinha pensado.
Então parei para refletir... por isso minha ausência... porque doeu... e ainda dói. Dói perceber que ao longo dos anos desperdicei muitas lições que aprendi no Caminho, dói a saudade daqueles que partiram para outro mundo como a Maria do Carmo e o Jose Miguel (pelo menos que eu tenha conhecimento), dói a saudade dos que partiram neste mesmo mundo e nunca mais vi, dói a distância do Mauricio, mais que amigo, irmão no mais verdadeiro sentido que essa palavra possa representar, dói, apesar de vivermos na mesma cidade, passar tanto tempo sem ver a Cris... são tantas as dores...
Mas nem tudo é dor. Hoje eu sou uma pessoa melhor, espiritualmente, me sinto mais próxima dos ensinamentos de Jesus e busco aplicá-los no meu dia a dia, e isso eu aprendi, em grande parte, naquelas trilhas.
Reviver esse percurso é relembrar o “Amai-vos uns aos outros” que Ele ensinou.
Isso eu acho que tenho feito!
Talvez no fundo eu esteja mesmo é me preparando para voltar... acho que é tempo de voltar, de ver tudo com outros olhos, viver novas experiências, aprender novas lições... mais uma vez me despir da “civilidade” e voltar a ser Peregrina. Quem sabe?

Trilha O Cebreiro

Pois bem, na noite anterior a Cris havia dito que queria sair cedinho (todos nós temíamos a subida d'O Cebreiro) mas eu não estava conseguindo dormir, era dor demais, então, pela manhãzinha, quando o cansaço falava mais alto, era que conseguia adormecer, às vezes de pura exaustão, então eu disse que não sairia cedo, que iria na hora que acordasse. Acho que o Mauricio disse que ia comigo por pura piedade, embora jamais ele tenha confessado isso.

Parêntesis 2: O Cebreiro é a porta da Galícia, ou “Las puertas del cielo” como diz o guia. È uma montanha de 1.300 m de altitude, que se sobre de uma só “tirada”!. O lugar é lindo, porém assustador. A gente não sabe o que vai encontrar pela frente, pois tudo vai depender do clima, pode ser um dia de neblina, onde não se vê nada, ou um dia de sol, onde se crê estar mesmo chegando mais perto de Deus. É uma trilha minúscula, serpenteando a montanha. Nós demos sorte, o dia estava magnífico.


Trilha serpenteada ficando para trás

A Cris se foi e eu e Mauricio fomos deixar minha mochila no ponto combinado para ser levada de carro. Já seria uma grande proeza conseguir chegar lá em cima, carregar a mochila seria estupidez da minha parte, uma vez que estava no limite das minhas forças.
É lindo! Muito verde, pastores pelo caminho, pequeninos povoados Ruitelán, Las Herrerías, La Faba e Laguna.
Fomos subindo devagar, fotografando o que ficava para trás.
Mauricio foi todo paciência. Seguiu no meu ritmo, sem reclamar, incentivando-me e acredito que forças maiores me acompanharam, pois consegui chegar até o pico, sem sofrer muito.

O Cebreiro - pueblo

O Cebreiro é lindo! São (ou eram) 12 casas de pedra, com floreiras nas janelas, um bar-restaurante, o albergue acolhedor e a Igreja pré-românica Santa Maria La Real, toda em pedras. O Cebreiro é considerado um dos pioneiros na existência de albergues para peregrinos e, como não poderia deixar de ser, também tem sua história de milagre.

Igreja Santa Maria La Real


Parêntesis 3: Conta-se que no ano de 1.300, um pastor que vivia em Barxamaior, apesar de uma grande tempestade, subiu a montanha para assistir à missa. Porém o sacerdote, vendo apenas uma pessoa na igreja, não se sentiu muito incentivado, e não se empenhou no ofício, momento em que a hóstia se converteu em carne e o vinho em sangue. O cálice do milagre, obra do século XII, encontra-se ainda na igrejinha. Contam também, que Isabel, a Católica, quando de regresso de sua peregrinação em 1488, resolveu levar o cálice para um lugar mais seguro, porém os cavalos se negaram a passar além de Pereje (lugarejo próximo). Tomando isso como sinal divino, o cálice, que eles chamam de Santo Graal, foi devolvido e está lá, para quem quiser ver.


Igreja Santa Maria La Real - Santo Graal

Ao chegarmos a Cris já havia pego minha mochila e fomos para o albergue. Fizemos nossas tarefas corriqueiras e depois saímos... cada qual pegou seu rumo. Eu resolvi ir para a igreja.
Logo ao entrar ouvem-se cantos gregorianos que tocam ininterruptamente. Creio que foi a igreja mais simples que visitei, mas a mais linda. Pequenina, pedras aparentes, bancos de madeira, apenas um crucifixo, uma janelinha de vidro onde entram raios de sol e um nicho, onde estão o cálice e outros elementos de ofício. Ali eu sentei e conversei com Deus.
Chorei muito. Sentia-me injustiçada ao ver tanta gente fazendo o caminho de farra e não acontecer nada e eu, que tinha verdadeiramente o propósito de me encontrar e assim tornar-me uma pessoa melhor, mais digna, passar por tanta dificuldade, tanta dor.
Quanto mais eu chorava mais calma eu ficava, era como se as lágrimas lavassem minha alma e levassem com elas meu sofrimento. Era como se Deus me respondesse lembrando-me de todas as vezes em que quis ter as rédeas da vida nas minhas mãos crendo que o poder estava no meu querer, desprezando aqueles que não seguiam adiante julgando-os fracos.
Deus estava me dando uma grande oportunidade para rever meus conceitos, preconceitos e posturas.

Igreja Santa Maria La Real - Crucifixo

Só sei que consegui me acalmar bastante, mas essa leitura eu só vim fazer tempos depois... como também a leitura de que Deus estava me ensinando sobre a diferença entre dor e sofrimento.
Que a dor a gente não pode evitar. A dor física, a dor de uma perda, as dores impostas pela vida. Mas o sofrimento é uma escolha. Sofrer é alimentar a dor. Eu vinha alimentando dores muito tempo... era hora de parar de sofrer...
Mas eu ainda teria que passar por um longo aprendizado.

O Cebreiro - entardecer visto do albergue

22 comentários:

Kátia Campos disse...

Hoje li com calma os dois últimos posts. Agora vejo q tem mais este.
Hora de caminhar novamente, peregrina?
Acho que sim, já te falei isto.
Você não faz idéia de como aprendo com você. E hoje, agora, guardo mais uma frase pra eu meditar durante a semana.
Saudades.
Bj

Nadezhda disse...

Uma coisa que provavelmente torna o caminho muito melhor, deve ser essa paisagem maravilhosa. Eu pelo menos me sinto muito melhor em lugares assim.

Você disse que sofreu mais do que as pessoas que estava lá por 'farra'. Talvez a resposta deva estar nisso mesmo. Por você ter feito como se deve.

;)

ex-controlador de tráfego aéreo disse...

Oi Kátia!

O Jesus ao qual me referi foi o do texto, o Jesus Jato. Você comenta sobre suas palavras: "...nada que acontece no Caminho é por obra do acaso, que tem um objetivo específico, que eu buscasse naqueles últimos acontecimentos a lição que faltava aprender".

Meu comentário foi sobre esse ponto, a despeito da dor.

O aprendizado continua sempre, e assim deve ser.

Um beijo com carinho!!!

Fernanda! disse...

Adoro te ler...Fico aqui curtindo tuas aventuras, tua evolução, tudo perfeito!

Quando crescer quero ser como vc kátia.


Bjos de luz, tenha uma semana iluminada!

VANUZA PANTALEÃO/OBRA LITERÁRIA disse...

Minha Amiga Kátia, olha, estou aqui...de queixo caído!
Quem conseguiu fotografar o Santo Graal, está juntinho, juntinho com o Nosso Amado Nazareno...
UM NATAL DE PAZ E LUZ, VOCÊ MERECE!
TE ADOROOOOOOO

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Até o Santo Graal? Kátia, vc tem que ser canonizada!
Bom, estamos no fim do ano, estou com insuficência cardíaca, mal posso sair de casa, meu único consolo é postar, por isso postei nos meus 3 Blogs e a convido para apreciar os posts. Só que eu preferiria que vc deixasse seu comentário na Galeria, pois é meu último post nesse Blog antes do Natal. Apareça, linda, estou com tantas saudades. Quando uma pessoa adoece, revaloriza tudo.
Um beijo,
Renata

Eduardo Miguel disse...

- Olá Kátia é claro que os limites sempre existirão porém quando leio seus posts histórias sinto que vai os deixando de lado e se colocando mais como uma gerreira a acraeditar que tudo pode ser possível, valeu pela coragem.
Um grande beijo

Mariana disse...

oie! olha eu aqui!! tive que sumir uns tempinhos, e nao se preocupe nao foram as listras do quarto rsrrs... mas sim o fim do periodo na faculdade..
Faco das palavras a Liv as minhas, que paisagem linda! adorei as fotos...ahh..e quanto as ferias, talvez, ainda nao tenho certeza, passarei por ai no reveilon, qualquer coisa se for mesmo entro em contato!!!

bjoss

Dauri Batisti disse...

Diferença entre dor e sofrimento. Esta é uma bela lição que você propõe também aos seus leitores, que fazem o caminho pelas suas palavras.

Um beijo.

Dry Neres disse...

Sabe, com você aprendi a eterna necessidade de ser uma peregrina.. em busca do amor... da felicidade!
Admiro por demais, vocÊ!!
Um beijo enorme, meu anjo..
:)

Canto da Boca disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Canto da Boca disse...

Extasiada quem ficou foi (fui) eu, querida Kátia em vir aqui e sentir contigo... Algumas palavras me fizeram refletir, e dentre elas, a dor se fez muito forte... Por outro lado percebi sua vontade de refazer tudo, os caminhos, sejam físicos, ou metafóricos... As paisagens sao belíssimas as descritas e as óbvias. Eu sou uma suspeita porque adoro a Galícia, entre tantas regioes daqui. Fui à Santiago de Compostela, mas nao como peregrina, ou como a peregrina associada ao caminho, confesso que a Catedral me calou, e me calou em várias instâncias, incluindo a historiadora, sempre associo o presente com aquilo que foi o/no passado.... Mas estou feliz demais por sua visita ao Canto, ele é seu, vá sempre, viu?
Vou te linkar, pode?
Voltando ao Porto, ou à Paris, e eu ainda por aqui, vai ser mais que um prazer te acompanhar...
Beijinhos e um dia lindo!

mundo azul disse...

__________________________________

É minha amiga... Penso que o caminho do auto conhecimento é sempre doloroso... Quando olhamos de frente as nossas sombras, os nossos venenos mentais, não tem como não brotar a dor...

Mas, você aprendeu muito nesse seu caminho!


Beijos de luz e o meu carinho muito sincero...


_________________________________

Mauricio disse...

Encontrei um caminho junto com o teu e o da Cris. Tua dor me doía também, gostaria de ter feito algo, mas não sabia como. Sou grato por termos caminhados juntos e em todas as circunstancias. Beijo

Poeta Mauro Rocha disse...

Então galera o ano se desfez
Mas vou avisando que foi um ano e tanto
Por tudo que vi
Pelas pessoas que conheci
Real ou virtual
Pelos poemas que publiquei
Pelos blogs que visitei
Espero que algo de bom eu tenha provocado...
Vou tirar férias, mas, volto...
FELIZ NATAL E PRÓSPERO ANO NOVO!!!
MAURO ROCHA

O Profeta disse...

Sabia apenas que era um pequenino naquela longa noite
No celeste um luminoso sorriso me chamava
Lançou-me aos olhos raios de deslumbrante luz
Era a minha prenda, uma brilhante…Estrela Alva…

Um Mágico Natal para ti querida amiga que ao longo deste ano me visitaste. Que a Estrela Alva te ilumine neste Natal.



Mágico beijo

Ana Lúcia. disse...

Katinha! Das minhas gargalhas!
Katinha, amiga camarada!!
Estaremos juntas em 2009! O "AO" foi um início que certamente trará as lembranças saudáveis e saudosas que nos farão continuar por estas estradas, nos encontrando nas palavras, nas poesias, nas fotografias,nos corações!!
Obrigada pelo carinho e sigamos agora mais felizes!!
Beijãozinho.

Zeca disse...

Kátia,

emocionado pela leitura deste maravilhoso texto onde, além de relatar sua busca, nos propõe também o início de uma caminhada pessoal, em busca de nó mesmos. Pelo menos foi assim que sentí essas palavra repletas de sentimentos e de ensinamentos.

Também, como você, só agora encontro tempo para começar a percorrer esse outro caminho, o dos novos amigos, à procura da sedimentação dessas novas amizades recentemente conquistadas.

Você também foi um grande presente deste Natal! Presente que quero cuidar e cultivar para que esteja sempre comigo, ao longo dos tempos.
Celebremos este Natal agradecendo nossos presentes (amizades), como sendo o início de uma nova peregrinação, pois de uma forma ou de outra, somos todos buscadores do "nosso" próprio Graal.

Beijos, com muito carinho.

dácio jaegger disse...

É assim Kátia, que a gente não se perca por aí; ainda mais você, que tem a experiência terrena dos caminhantes, e que experiência...Palmilhada por terrenos difíceis, acolhedores, luminosos ou escuros. Envolvidos por uma áurea de religiosidade histórica, atmosfera de muita sensibilidade no lidar com pessoas, sejam os companheiros amigos ou os amigos companheiros. O aprender pode ser fácil, o apreender pode ser complicado em função do armazenamento atual; desprover-se de idéias , desnudar-se de preconceitos é avançar. E você demonstra, minha nova amiga, toda uma capacidade para enfrentar tais desafios; seu relato tem que ser buscado do começo para se aprender com ele; uma vantagem para os AO que resolverem acompanhá-la. Obrigado por existir e por abrir caminhos, pela visita no Chega mais, pelo incentivo elogioso. Feliz Natal, Boas Festas e um 2009 lindo de morrer. Beijos

Beti Timm disse...

Kátia, minha adorável amiga,

vc foi para mim um daqueles milagres, que nos deixam pasmas, boquiaberta diante da generosidade da vida.
Quero te conhecer melhor, e te contar um dia um pedacinho da minha vida, onde sempre engatinhei e só ha pouco tempo, neste mundo dos blogs, eu me levantei e aprendi a ser feliz e viver. Sempre ajudada por amigos que aqui colhi, que são flores raras no meu viver.

Ontem na madrugada fiquei te lendo e desejando muito estar a teu lado, te abraçar com força e agradecer pelo teu carinho. Agora to escrevendo e chorando, pq sou assim, hj tudo me é importante. Ontem já chorei muito, pela homenagem que o Marco fez pra mim, no seu blog e disse´`a ele e te digo agora: é bom viver e estar contigo!

Cruzes, escrevi uma carta!

Beijos no teu coração

meus instantes e momentos disse...

É bom voltar sempre aqui. Voce é meu blog de cabeceira. Se isso não existe criei agora.
A melhor definição para teu blog é essa.
Tenha um feliz Natal.
Maurizio

Sergio disse...

..Creio que o Mauricio, assim como a Cris, jamais ficaram por piedade...isso se chama amizade...ou entao voce nao seria merecedora dessa amizade?

Essa coisa de sofre e dor, falo sempre aqui em casa, daí a votade de levar minha filha..falo sempre que nao é preciso aprender sofrendo, ou errando para acertar..isso nao existe...se voce sabe o certo, faça o certo, o resultado é melhor...nao erre para acertar, voce pode estar perdendo a oportunidade de aprender, e ate de ser feliz